22 maio 2007

A CADELA DE MOURINHO E A CO-INCINERAÇÃO

Já sabíamos que nas faculdades de jornalismo se ensina que não é notícia o cão que mordeu no Homem, mas sim o Homem que mordeu no cão .
Ficámos agora a saber que a chegada de uma cadela a Portugal também pode ser notícia .
Depois da Laika ter sido posta em órbita pelos soviéticos em 1957, passando assim a ser o primeiro ser vivo no espaço, eis que agora é notícia a Leya, cadela de José Mourinho que os jornalistas portugueses decidiram pôr nos píncaros da Lua .
E porquê ? Que fez ela de especial ?
Nada, que se saiba .
Tal aconteceu no mesmo dia em que o Tribunal Central Administrativo – Sul confirmou a suspensão da co-incineração de resíduos perigosos na Arrábida .
A estratégia da mediatização do banal e da banalização do fundamental, funcionou mais uma vez .
Transformou-se em trivial o que tem sido uma raridade em Portugal : adopção de providências cautelares contra as pretensões do Governo e em transcendental o que não passa de uma banalidade : uma cadela a viajar de avião ao colo da sua dona .
Sem dúvida que o dono da cadela é um Homem muito especial, desde logo porque Mourinho é também contra a co-incineração no Outão , mas nada justifica que se tenham escrito páginas inteiras acerca do romance construído à volta da cadela e apenas breves notícias sobre o anúncio público de uma decisão judicial que é de crucial importância para a saúde pública e para o meio ambiente .
As notícias publicadas pelos jornais Público e Diário de Coimbra são a excepção que confirma a regra .
Nem uma só câmara de televisão se dignou colher a opinião dos Presidentes das Câmaras de Setúbal, Sesimbra e Palmela que são personalidades relevantíssimas na Região e até a nível nacional ( recorde-se que em Setúbal se irá comemorar o próximo 10 de Junho ), que não é fácil fazer sentar à mesma mesa para uma conferência de Imprensa, dada a sua vida profissional profundamente absorvente e que vêm travando, até ao momento com sucesso, uma titânica batalha judicial contra o Governo .

As opiniões dos treinadores do Porto, Benfica e Sporting a dar palpites sobre o que vai acontecer no dia seguinte num jogo de futebol isso sim é que é importante para a Nação .
E se a decisão tivesse sido ao contrário, ou seja, se o Ministro do Ambiente ou a Secil tivessem ganho o recurso que apresentaram ?
Passaria também essa decisão despercebida aos portugueses ?
A imprensa desempenha, todos nós sabemos, um papel crucial na aculturação ou na estupidificação do nosso Povo .
O último jogo de futebol entre o Benfica e o Sporting preencheu, no dia seguinte, 23 páginas de um jornal desportivo deste País .
Para bom entendedor meia palavra basta .

3 comentários:

João Carlos Pereira disse...

Caro Jorge

Embora compreenda o seu espanto e a sua indignação, não me espanta a mim - embora me indigne - os critérios jornalísticos que dão destaque à «saga» da cadela do Mourinho, enquanto escondem a derrota (mais uma) do governo e da sua estimada co-incineração.

Ambos sabemos - ou quase todos sabemos - de quem são os principais jornais e cadeias de televisão, e quais os interesses que servem.

Ambos sabemos - ou quase todos sabemos - que até a televisão e a rádio estatais, que deveriam prestar um serviço público isento e objectivo, mais não são do que meros instrumentos dos governos da ocasião, fiéis mandatários, aliás, dos grandes predadores das riquezas públicas - riquezas naturais, meios de produção, sistema financeiro, força de trabalho, saúde pública (a vida de nós todos, a bem dizer) - a quem também se costuma chamar «grandes empresários» ou «senhores capitalistas».

O que se passa com o co-incineração é mais uma episódio desse instinto predador, selvático e imoral, que assola a nossa vida e o nosso quotidiano.

Que as palavras nunca lhe doam.

João Carlos Pereira

Castanheira Barros disse...

OBRIGADO JOÃO CARLOS PEREIRA PELO SEU COMENTÁRIO .
É A OPINIÃO DE QUEM TEM CONHECIMENTO DE CAUSA POIS EXERCE ESSA NOBRE FUNÇÃO DE SER JORNALISTA HÁ MUITOS ANOS .
AS SUAS CRÓNICAS DE 4ª FEIRA ÁS 9 HORAS NA RADIO BAÍA SÃO REVELADORAS DE UMA CORAGEM QUE MUITO ADMIRO .

antónio paiva disse...

...............

Caro Senhor,

concordo em absoluto com título do seu blog, ninguém nasce politico, mas sim cidadão.

a cadela do Senhor Mourinho, é igual às cadelas de muitos senhores e de muitas senhoras do nosso burgo, melhor tratadas que a grande maioria das crianças do nosso burgo, que normalmente só são notícias via tragédia.

na verdade um politico nunca se devia esquecer que também e acima de tudo é cidadão, mas na realidade a máquina politica e as suas (des)virtudes, acaba por os fazer esquecer disso

basta ver que pós 25 de Abril, tirando um certo período conturbado, apenas duas cores têm dominado a cena politica, o resultado é o que todos sabemos

os arautos gostam é de sangue e de tragédia, ou ainda de factos de alcova, também adoram banalidades e disparates de ministros

parece que é o que vende mais


seja como for que nunca lhe doa o teclado nem a caneta

..................

Até uma próxima